Outros Não existe nenhum produto nesta categoria.

Subcategorias

  • Azeite
  • Vinagre
  • Chocolate
  • Licores
  • Moscatel


    O Moscatel mais famoso é o produzido na zona de Setúbal, obtido a partir das castas Moscatel e Moscatel Roxo. O vinho Moscatel tem cor dourada e a nível aromático distinguem-se odores florais e frutados (laranja e tâmaras). Na região do Douro, particularmente na região de Favaios e Alijó, o Moscatel é produzido a partir da casta Moscatel Galego.

    Texto retirado do Infovini - O portal do vinho Português

  • Vinho da Madeira


    Na ilha apelidada “pérola do Atlântico”, produz-se o vinho generoso “Madeira”. Este vinho possui uma longevidade fora do comum, aromas complexos e um sabor distintivo que ganhou notoriedade mundial.

    A ilha da Madeira tem um clima tipicamente mediterrânico: temperaturas amenas durante todo o ano e baixas amplitudes térmicas, embora a humidade atmosférica seja sempre elevada. Os solos são de origem vulcânica e pouco férteis. O relevo da ilha é muito irregular, por isso as vinhas são plantadas nas encostas de origem vulcânica.

    A Denominação de Origem Madeira é constituída por cerca de 450 hectares de vinha, onde são plantadas castas tintas e brancas. A casta Tinta Mole é a mais plantada na região, contudo também existem castas mais raras como a Sercial, a Boal, a Malvasia e Verdelho.

    Os melhores vinhos da Madeira são aqueles que provêm das vinhas plantadas nas zonas de menor altitude. A casta Malvasia foi aquela que desde tempos seculares se destacou na produção do vinho generoso da Madeira. Além da casta Malvasia utilizam-se, na produção do Madeira, as castas Sercial, Boal e Verdelho que conferem quatro níveis de doçura ao vinho (doce, meio doce, meio seco e seco).

    O vinho da Madeira começou a ser exportado para todo o mundo a partir do século XVIII. Os barris de vinho eram transportados em barcos, por isso ficavam sujeitos a inúmeras variações de temperatura até chegarem ao destino. Uma vez no destino, havia vinho que não sendo vendido, voltava para o destino de origem. Uma vez na Madeira, verificava-se que o vinho apresentava-se muito mais aromático e com novo sabor. Deste modo, a partir de 1730, os barris de Madeira começaram a ser enviados em longas viagens com o objectivo de apurar as qualidades do vinho.

    No início do século XIX, os produtores começaram a estudar formas de reproduzir os fenómenos de aquecimento e arrefecimento a que os vinhos eram sujeitos em alto mar. A estufagem e o canteiro foram os processos utilizados para simular as acções de aquecimento/arrefecimento e consequentemente melhorar as qualidades do “Madeira”.

    Na estufagem o vinho é aquecido em recipientes durante três meses. É um processo relativamente rápido, barato e utilizado nos vinhos menos complexos e com menos qualidade. No método canteiro, o vinho é colocado em pipas de madeira que são colocadas junto ao telhado das adegas, de forma a receberem mais calor e sol.    

    O período de envelhecimento do vinho determina a qualidade de um Madeira. Os vinhos da Madeira podem ser classificados de acordo com os anos de envelhecimento: cinco, dez e quinze anos. Os vinhos da Madeira envelhecidos durante vinte anos e elaborados a partir de uma única casta são denominados de Frasqueira ou Vintage. Recentemente surgiu uma nova categoria no vinho da Madeira, os vinhos de Colheita, produzidos a partir de uma única variedade de uva, todavia mais jovens do que os Frasqueira. Os vinhos de gama mais baixa são comercializados sem indicação de idade.  

    Além das extraordinárias qualidades relativamente aos aromas e sabor do vinho da Madeira, este generoso possui uma longevidade pouco comum. O Madeira é praticamente eterno, pois passados muitos anos após o seu engarrafamento, as suas características permanecem inalteradas.

    Texto retirado do Infovini - O portal do vinho Português

  • Patés e Entradas
  • Cerveja Artesanal
  • Whisky
  • Champagne
  • Gin
  • Cava